Caso Escola Estadual Octacílio de Carvalho Lopes

Informativo nº COE13004 – revisadoRef.: Escola Estadual Octacílio de Carvalho Lopes S. Paulo, 28 de agosto de 2004.
Caso: Escola Estadual Octacílio de Carvalho Lopes

Passados quatro meses da denúncia de que um aluno teria sido agredido por um professor em plena sala de aula, o Governo do Estado de São Paulo, através da Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo – COGSP, vinculada à Secretaria Estadual de Educação, resolveu fazer “uma nova averiguação preliminar”.

A denúncia inicial foi feita em 19/04/2004, no 65º Distrito Policial de Artur Alvim, na própria diretoria da escola, e na Diretoria de Ensino Leste-4. No início de maio, chegou ao nosso conhecimento o caso em questão.

Em 28 de maio, recebemos um “e-mail” da Ouvidoria da Secretaria de Educação, trazendo a cópia anexa do “PARECER DA SUPERVISORA DE ENSINO” (19/05/2004). Neste “parecer”, encontramos indícios de que o “corporativismo” iria impedir uma apuração isenta do caso. Como exemplo, destacamos o seguinte trecho: “Em relação às denúncias feitas pela interessada, esta Supervisão tem a considerar que, S.M.J., é bastante comum o Site organizado pela mesma divulgar fatos congêneres relativos a escolas, nem sempre precedidos de uma confirmação cautelar, fundando-se tão-somente em declarações unilaterais, o que tem, precocemente, denegrido a imagem de unidades escolares e de funcionários públicos, (…)”. Ao invés de levantar os indícios para a instalação de uma “sindicância”, as supervisoras estavam mais preocupadas em desacreditar os denunciantes. O “site” referido é “Cremilda Dentro da Escola – http://cremilda.blig.ig.com.br “.

Na reunião com representantes da COGSP, em 10/08/2004, denunciamos o “Relatório da Apuração Investigativa Preliminar” (págs. 57 a 69) da “Comissão” nos seguintes termos:

1.       A “Comissão” não tomou depoimento do aluno denunciante, sob argumento de que isso era “para poupar o adolescente de um constrangimento maior” (pág. 58).

2.       A “Comissão” não ouviu o professor que ministrou a aula imediatamente seguinte. Este “professor” poderia relatar o diálogo que teve com o aluno, assim como confirmar (ou negar) os evidentes sinais da agressão sofrida pelo aluno.

3.       A “Comissão” ouviu apenas 5 (cinco) alunos, dentre mais de 20 (vinte) que estavam presentes na referida aula. Além disso, o Boletim de Ocorrência nº 1551/2004 – 65º DP – traz o nome de 2 (dois) alunos que teriam segurado a vítima. Estes alunos devem ser ouvidos como “acusados”, e não como “testemunhas”.

4.       Juntou cópia de um “e-mail” autodenominado “Mães do Octacílio”. Embora este “e-mail” contenha apenas um nome, a “Comissão” faz questão de registrar: “… demonstrando sua indignação com a maneira como a Sra.Cremilda obtém e divulga as informações colhidas.” (página 59).

5.       Em nenhum momento convidou os membros do NAPA (Núcleo de Apoio a Pais e Alunos) ou do COEP. Nem ao menos contatou a senhora Cremilda Estella Teixeira (presidente do NAPA e membro da coordenação do COEP).

6.       Embora a “Comissão” reconheça que os alunos poderiam estar mentindo (“possam ter medo de possível represália por parte do professor”, pág. 62), a “Comissão” faz juízo de valor, argumentando que “(…) se uma classe interia coloque-se contra um colega e fique a favor do docente, este fato deve ser entendido como um forte indício de que a turma esteja dizendo a verdade, de sorte que esse colega não tenha sofrido por parte do professor qualquer forma de agressão e/ou discriminação, (…)”. O trecho seguinte é um forte indício de que a “Comissão” atuou de forma corporativa: “(…) pois o mais freqüente tem sido o inverso: mesmo não ocorrendo qualquer agressão por algum professor a um aluno, os demais colegas não denunciam esse membro do grupo, antes confirmam o que ele, suposto ofendido, alegar, inocentando o amigo e acusando o docente, ainda que essa acusação não retrate fielmente a veracidade do ocorrido – é a voz do grupo: muito forte e determinante do comportamento adolescente nessa faixa etária, conforme demonstram os especialistas no assunto; (…)” [página 63]. O fato do aluno estar há apenas 2 (dois) meses na escola, e não fazer parte de nenhum “grupo” nem “gangue”, foi completamente ignorado.

7.       Sobre a denúncia de que o professor teria chamado o aluno de “bicha”, a “Comissão” entende que “o termo ‘bicha’ tornou-se bastante comum entre os jovens, perdendo a característica de chulo pelo desgaste natural lingüístico; (…)”. E conclui: “(…) a Comissão, apesar de não recomendar tal conduta, reconhece que muitos professores, para cativarem seus alunos, mantendo um relacionamento mais próximo e amistoso, fazem brincadeiras desse naipe com seus pupilos.” (página 64).

8.       Mesmo com o professor admitindo que falou “em tom de brincadeira, que parasse de imitar uma ‘bicha’” (pág. 62); e os outros alunos terem atestado que “por brincadeira, seguravam-no”; e que o laudo do Instituto Médico Legal comprovou “lesão corporal leve” já em 19 de abril de 2004, a “Comissão”, formada por 3 supervisores de ensino, “por não ter apurado a materialidade do crime de lesão corporal nem de injúria”, conclui que “não tem como encaminha-lo à sindicância disciplinar” (pág. 66). A dirigente da Diretoria de Ensino Leste-4 assinou o seguinte despacho: “Acolho o Relatório e respectivo Parecer Conclusivo da Comissão, cujos fundamentos invocados reitero” (pág. 69).

9.       Informamos à COGSP que o Ministério Público teve um entendimento completamente diferente da Diretoria Leste-4: denunciou a escola (processo nº 006.04.900291-6) e o professor (processo nº 006.04.009130-4/0 – 1ª Vara Criminal).

Em 19/08/2004, a coordenadora da COGSP, professora Arlete Scotto, tomou a seguinte decisão: “diante dos questionamentos encaminhados, (…) posicionou-se pela realização de uma nova averiguação preliminar (…) que será desenvolvida por comissão integrada por membros, não da Diretoria de Ensino Leste-4 e sim de outras diretorias de ensino”.

15 Respostas

  1. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). […]

  2. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). […]

  3. […] anos e mais 5 meses de injustiças 19 19UTC setembro 19UTC 2010 — Mauro A. Silva Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – […]

  4. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). O caso aconteceu em 19 de abril de 2004… Nós nunca nos esqueceremos… O secretário de Educação era o Gabriel Chalita… Um caso clássico de Violação de Direitos Humanos dos Alunos Um “bolinho” e uma “velinha” acesa todo dia 19 de cada mês… Um aluno de 14 anos denunciou que fora xingado de “bicha” pelo seu próprio professor em plena sala de aula … A Diretoria de Ensino Leste-4, a COGSP e a própria Secretaria Estadual de Educação de SP foram coniventes com o comportamento do professor: “É normal professor chamar aluno de “bicha”, diz secretaria” (caso EE Octacílio de Carvalho Lopes, Jornal da Tarde, 24/03/2005). […]

  5. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – […]

  6. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – […]

  7. […] aluno de bicha!!! (“É normal professor chamar aluno de “bicha”, diz secretaria” – caso EE Octacílio de Carvalho Lopes, Jornal da Tarde, 24/03/2005)… é só consultar os próprio arquivos da TV Record para saber […]

  8. […] aluno de bicha!!! (“É normal professor chamar aluno de “bicha”, diz secretaria” – caso EE Octacílio de Carvalho Lopes, Jornal da Tarde, 24/03/2005)… é só consultar os próprio arquivos da TV Record para saber […]

  9. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). […]

  10. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). […]

  11. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). O caso aconteceu em 19 de abril de 2004… 79 Meses de Injustiças… Nós nunca nos esqueceremos… O governador era o Geraldo Alckmin… O secretário de Educação era o Gabriel Chalita… Um caso clássico de Violação de Direitos Humanos dos Alunos Um “bolinho” e uma “velinha” acesa todo dia 19 de cada mês… Faz 2424 dias que um aluno de 14 anos denunciou que fora xingado de “bicha” pelo seu próprio professor em plena sala de aula … A Diretoria de Ensino Leste-4, a COGSP e a própria Secretaria Estadual de Educação de SP foram coniventes com o comportamento do professor: “É normal professor chamar aluno de “bicha”, diz secretaria” (caso EE Octacílio de Carvalho Lopes, Jornal da Tarde, 24/03/2005). *** Caso não veja o vídeo, clique aqui […]

    • O colegio octacilio é o pior de arthur alvim.faltam professores todos os dias minha filha ouviu da boca de um coordenador a frase “o que acontece na sala de aula fica na sala de aula” por que ela reclamou que estava sendo motivo de deboxe por ter o cabelo crespo pela roupa entre outras coisa.em conversa com o mesmo o que foi dito é que o governo não disponibiliza funcionarios para as escolas estaduais.professores fazem os alunos copiarem o conteúdo das apostilas no cadernos aulas seguidas pra cubrir a falta de professor e assim não ensinão nada.pra completar o mês passado a escola foi cercada por varias viaturas de policia,motivo a escola não informou.os alunos ficaram trancados nas salas de aula até que tudo acalmasse.ontém um segurança da escola foi morto no patio as aulas foram suspensas e ai pra onde mando minha filha já que se estiver fora da escola corro o risco de ser chamada no conselho tutelar e se a mando pra aula corro o risco de para em uma delegacia ou pior alunos dizem ser o pior lugar pra se ehttp://movimentocoep.wordpress.com/2009/12/19/caso-escola-estadual-octacilio-de-carvalho-lopes/#comment-form-wordpressstudar.Algué esta sabendo disso?

  12. o octacilio e bom

    mas ten alguns professores que deus que me livre viu e umas liçoe chatas

  13. […] Caso EE Octacílio de Carvalho Lopes: “É normal professor chamar aluno de bicha, diz secretaria de educação” (Jornal da Tarde – 24/03/2005). O caso aconteceu em 19 de abril de 2004… 88 Meses de Injustiças… Nós nunca nos esqueceremos… O governador era o Geraldo Alckmin… O secretário de Educação era o Gabriel Chalita… Um caso clássico de Violação de Direitos Humanos dos Alunos Um “bolinho” e uma “velinha” acesa todo dia 19 de cada mês… Faz 2424 dias que um aluno de 14 anos denunciou que fora xingado de “bicha” pelo seu próprio professor em plena sala de aula … A Diretoria de Ensino Leste-4, a COGSP e a própria Secretaria Estadual de Educação de SP foram coniventes com o comportamento do professor: “É normal professor chamar aluno de “bicha”, diz secretaria” (caso EE Octacílio de Carvalho Lopes, Jornal da Tarde, 24/03/2005). Advertisement GA_googleAddAttr("AdOpt", "1"); GA_googleAddAttr("Origin", "other"); GA_googleAddAttr("theme_bg", "ffffff"); GA_googleAddAttr("theme_border", "bbbbbb"); GA_googleAddAttr("theme_text", "333333"); GA_googleAddAttr("theme_link", "1c9bdc"); GA_googleAddAttr("theme_url", "1c9bdc"); GA_googleAddAttr("LangId", "438"); GA_googleAddAttr("Tag", "boa-noticia"); GA_googleAddAttr("Tag", "bullying"); GA_googleAddAttr("Tag", "ee-octacilio-de-carvalho-lopes"); GA_googleAddAttr("Tag", "tv-globo"); GA_googleFillSlot("LD_ROS_300-WEB"); Compartilhe este post:TwitterFacebookPrintMaisEmailLike this:LikeBe the first to like this post. […]

  14. Não podemos generalizar, aparentemente, foi um caso isolado, a escola Otacílio é uma boa escola. É fácil criticar, mas precisamos ter argumentos sólidos ao fazê-lo. Aproveito para informar o caso do segurança da escola, supostamente, morto no patio. O segurança não morreu, ele foi alvejado não no pátio da escola, mas no prédio geminado ao da escola, entrada diferenciada a do alunos. Diga-se de passagem, não sou professora da escola citada, resido próximo a ela.
    Faço parte desta categoria de profissionais e não aceito injustiças.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 412 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: