Desmistificando o discurso da professora Amanda Gurgel.

O Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública (COEP) foi criado em 1997 para defender a educação pública sob o ponto de vista dos alunos, das mães, dos pais e da comunidade.
Um dos principais objetivos do Movimento COEP é desmistificar a figura do professor.
Professor não é santo, não é abnegado e nem muito menos um “anjo caído do céu”. Professor é um profissional e, como tal, deve ser tratado. Professor deve receber um bom salário e ser constantemente avaliado pelo serviço prestado. O mau professor deve ser reciclado ou demitido.

No caso em questão, a professora Amanda Gurgel fez um discurso em 05 de maio de 2011, em uma audiência Pública sobre Educação na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. O vídeo teve ampla repercussão na internet e foi parar nas redes abertas de televisão.
Vejamos algumas informações essenciais omitidas no vídeo [e ignoradas pela grande maioria da imprensa]
1) Os professores da rede pública estadual estão em greve.
2) a professora Amanda Gurgel é sindicalista, já tendo disputado a eleição em chpa formada pelo movimento Conlutas, do PSTU;
3) O salário de R$ 930 citado pela professora Amanda Gurgel é referente à jornada de 30 horas semanais na escola municipal Prof. Amadeu Araújo ; na qual ela está exercendo funções na sala de informática;
4) A professora Amanda Gurgel também recebe um salário de R$ 1,200 da escola estadual EE Myriam Coeli, na qual está afastada de sala de aula; está lotada na biblioteca;
5) A professora Amanda Gurgel está afastada da sala de aula desde 2008, por problemas de saúde;

continua…

Anúncios

11 Respostas para “Desmistificando o discurso da professora Amanda Gurgel.

  1. Não é porque ela participa ou não de algum partido ou sindicato que deixa de ser verdade tudo que ela falou.
    Ela teve a coragem de fazer o que todos professores municipais ou estaduais do nosso país sempre reclamam e não tem a coragem de fazer.
    Muitos professores encontram-se afastados ou lotados em outras “funções” devido a doenças causadas pelo stress e grandes cargas de trabalho, como você mesmo disse, ela trabalha em escola municipal e também estadual para poder complementar a renda e ter condições de sobrevivência.
    Ela mesma falou no vídeo que estava com problemas de saúde, isso não foi omitido ou ignorado.
    Não sou professora, mas como cidadã, estudante e mãe, vejo a situação precária da educação no país.
    Se os participantes do COEP não estão vendo que as crianças saem da escola analfabetos funcionais, que os métodos não estão sendo suficientes para uma boa educação de nossos filhos, que muitos vão sendo empurrados série após série sem aprender o necessário, que faltam materiais, faltam incentivo e apoio na base da educação, então, não devem estar analisando realmente a educação, pelo menos não a pública.

  2. Cristina Viana Ramalho

    Professora Amanda, parabéns por sua coragem ! Sou professora e compartilho contigo nesta luta….
    Vamos à luta, companheira!

  3. Wellington Vinícius

    Amanda, CONTINUE!!! Também sou professor (rede estadual/SP) e confirmo tudo o que você disse. Sei o que é ser professor num sistema falido como esse que SP — e o Brasil — passam.

    • SP é uma vergonha para todo o Brasil, principalmente depois que o sindicato fez uma greve para garantir que os professores-nota-zero continuassem vendendo aulas nas escolas públicas.
      O professor faz parte do sistema de enganção escolar.

  4. Eu não acredito q tem um site pra falar q o q ela disse tem um fundo politico ou mentiroso !!!

    • A fala da professora tem conotação política, sim. Principalmente conotação sindical.
      Por que ela não mostrou o seu hollerite da escola estadual? A audi~encia pública não trtava da greve na rede estadual?
      Professor que vende aulas em três turnos esta comprometido com um sistema de enganação conta nossas crianças e adolescentes das escolass públicas.
      É isso.

  5. “A professora Amanda Gurgel está afastada da sala de aula desde 2008, por problemas de saúde”
    .
    É uma guerreira. Mesmo com problemas de saúde continua na escola e na luta.

    Parabéns Amanda!

    • Não acho que seja uma luta… você já viu as condições da bibliotca e da sala de informática? Sabe se os alunos efetivamente frequentam estes espaços? Já viu a nota das escolinhas?
      O fato é que a professora não está em sala de aula.

      • jani,
        No caso específica da professora amanda Gurgel, voce deveria saber que ela esta afastada da sala de aula desde 2007.
        A questão salarial é muito imoportante. Mas devemos exigir um maior comprometimento dos professores para com o desempenho da escola.
        Professora que vende aulas para duas ou mais escolas está enganando seus alunos.
        É isso.

  6. Em enhum momento o Movimento COEP fez a defesa de governos.
    a questão básica é demistificar o discurso da professorinha sindicalista.
    Ela mesma disse que só que está em sala de aula é que pode saber das coisas… Mas ela está afastada da sala de aula desde 2007!
    Outro ponto: por que ela fala do salario de R$ 930 e não fala de seu outro sal~´ario de R$ 1.200? Tudo isso fora da sala de aula…
    O grave do discurso não é atacar o alto sáçlario dos deputados, mas sim defender que os professores comam a merenda dos alunos.
    É isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s