SP estuda priorizar pobres em creche

Prefeitura vai propor ‘fila social’ em audiência no Tribunal de Justiça; hoje, há 127 mil crianças de 0 a 3 anos que não são atendidas

29 de agosto de 2013 | 2h 02

Paulo Saldaña – O Estado de S.Paulo

A Prefeitura de São Paulo vai propor a criação de uma “fila social” para priorizar os mais pobres no atendimento em creches. Atualmente, a precedência é pela ordem de inscrição, mas o acatamento de decisões judiciais a favor de famílias tem dominado as matrículas. A proposta vai ser apresentada hoje em audiência pública convocada pelo Tribunal de Justiça (TJ) para tratar da educação infantil.

Ministério Público, Defensoria Pública e entidades como Ação Educativa, que participam da audiência, pressionam a Prefeitura a assinar na Justiça compromisso de expansão de vagas e manutenção de critérios de qualidade. Ontem, na véspera da audiência no TJ, o prefeito Fernando Haddad (PT) lançou a Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância da Cidade de São Paulo.

Chamada de São Paulo Carinhoso, em referência ao programa federal Brasil Carinhoso, com o qual mantém ligação, a política cria uma articulação entre secretarias municipais, desde Saúde à Assistência Social, voltada para a primeira infância. O comitê gestor será presidido pela primeira-dama, Ana Estela Haddad.

Apesar de não definir ações específicas, o programa prioriza “territórios e populações em situação de maior vulnerabilidade social” nas políticas de primeira infância. “Nossa tarefa é romper barreiras entre pobreza e riqueza”, disse o prefeito.

Haddad lembrou que o porcentual de atendimento em creche das crianças mais pobres é menor do que na média na cidade de São Paulo. Em junho, a Prefeitura registrava 211 mil matrículas em creches, que atendem crianças de 0 a 3 anos – o equivalente a 34,4% das crianças dessa faixa etária na cidade. Por outro lado, tendo como base as beneficiadas pelo programa Bolsa Família, apenas 22% – ou 18,5 mil crianças – de famílias com até três salários mínimos estão em creches.

Atualmente, há 127 mil crianças nessa faixa etária cadastradas pela Prefeitura que não são atendidas em creches.

Prioridade. A desempregada Juliana Moraes, de 25 anos, está com sua filha Débora, de 1, na fila por uma creche na Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo. Ela pretende voltar a trabalhar com telemarketing, mas enquanto não arruma creche, mãe e filha dependem da aposentadoria de um salário mínimo da avó de Débora.

“Já pensei em procurar a Justiça, como me disseram na escola. Mas não sei onde procurar”, diz Juliana.

Segundo o secretário municipal de Educação, Cesar Callegari, a questão da priorização e os desafios legais para a ideia serão debatidos na audiência no TJ. “Pretendo ouvir muito, mas vou falar a respeito dessa questão. Temos de enfrentar a situação de desenvolver políticas desiguais para desiguais.”

O promotor João Paulo Faustinoni e Silva, do Grupo de Educação do Ministério Público (Geduc), disse que conheceu apenas à noite a existência dessa política. “Não vi dados de execução, mas acho importante essa preocupação”, diz. “O foco na audiência é mais definido, um direito específico das crianças que vem sendo ignorado.” Ele diz acreditar que alguns critérios de priorização possam ser discutidos, mas é preciso uma proposta objetiva.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s